Voltar à Home do Blog

Gestão de empresas: o que os esportes olímpicos podem nos ensinar

Vôlei brasileiro é exemplo de como a gestão somada à análise de dados pode contribuir para a boa performance esportiva e transformar os resultados de um esporte

Há anos, o Vôlei do Brasil atinge resultados esportivos incríveis. Nos últimos 16 anos, considerando as Olimpíadas, foram 6 medalhas conquistadas nas quadras. Nos torneios masculinos, dois ouros e duas pratas; no feminino, dois ouros em quatro disputas. Por óbvio, o talento dos jogadores é fundamental, mas a análise e a gestão por trás do esporte são fatores preponderantes para a excelente performance. Para atingir esse nível de excelência, o planejamento, a estratégia para as Olímpiadas e a avaliação da performance baseada em dados foram determinantes.

Em entrevista ao jornal o Estado de S. Paulo, o técnico Giovane Gávio, bicampeão olímpico como jogador em 1992 e 2004, considera o sucesso do esporte como um reflexo do planejamento da modalidade, destacando também o investimento em infraestrutura e a formação de técnicos dentro de uma escola específica para esses profissionais – um paralelo que pode ser feito com a capacitação de colaboradores e gestores.

Uma das medidas adotadas no vôlei foi a inclusão de analistas na comissão técnica, que inserem os dados do jogo em um sistema. A partir dessa ferramenta, é possível acompanhar as performances em treinos e também analisar o desempenho dos adversários, indicando caminhos para vencer uma partida. A ciência e a tecnologia são aliadas importantes dos bons resultados e essas informações também dão tranquilidade ao técnico em sua tomada de decisões. Ou seja, com dados precisos em mão, as posições são mais assertivas e costumam dar resultados mais satisfatórios, algo que pode ser percebido também no cotidiano das empresas.

Ter suas informações em um mesmo sistema é fundamental para o sucesso da sua empresa. Conheça o Sage X3 e saiba como ele pode contribuir para o seu negócio.

Moneyball, o exemplo

O filme Moneyball, de 2011, e o livro Moneyball: The Art of Winning an Unfair Game apontam a importância do uso de estatísticas dentro do esporte. No caso dos exemplos, o esporte é o baseball. A ideia por trás do filme é usar diversas estatísticas individuais do atleta para avaliar sua performance como um todo e compreender como ela contribuiu para o resultado coletivo. Não basta apenas medir o objetivo do jogo: gols, cestas, pontos, mas todos os fundamentos e atributos que são importantes para o bom desempenho.

De certa forma, o sucesso de uma seleção ou equipe dentro de um esporte pode se tornar um importante paralelo para a gestão das empresas: profissionalização, melhoria do fluxo de informações e estatísticas e investimentos em tecnologia são pontos importantes para competir em um mundo cada vez mais globalizado, no qual o diagnóstico correto de processos e a tomada de decisões apoiadas em dados coerentes podem contribuir decisivamente para o futuro saudável de uma companhia.

Crédito da foto: lazyllama / Shutterstock.com

Guest Blogger

Our "Guest Bloggers" come from a variety of backgrounds and companies. They can be Sage people, Sage Business Partners, Independent Software Vendors, Thought Leaders or Analysts, that have valuable knowledge, expertise and experience on a variety of different subjects and topics.

Matérias relacionadas

6 outubro, 2017 por Guest Blogger

Como evitar os ramsomwares?

O custo de um ataque como esse, segundo estudos, pode custar US$ 99 mil para uma empresa de médio porte Os ramsomwares são arquivos que, geralmente, são baixados de forma imperceptível – via e-mail, rede social ou na visita a …

19 junho, 2017 por Guest Blogger

Como o estado das rodovias interfere nos custos do transporte

Em um país com menos de 50% das rodovias em estado bom ou excelente, o acréscimo de gasto no transporte pode aumentar em até 91,5%, dependendo do estado da pista Um estudo do Banco Mundial mostrou que os custos logísticos …

27 novembro, 2017 por Guest Blogger

Simples estimulou empreendedorismo, formalização de empresas e arrecadação de impostos

Saiu de 2,5 milhões para 11,6 milhões o número de companhias que ingressaram no Simples entre 2007 e 2016 Entre 2007 e 2016, o número de empresas que aderiram ao Simples saltou de 2,5 milhões para 11,6 milhões. Foram quase …

Product Tour Virtual

Preencha a informação e veja como personalizar o Sage X3 para trabalhar do seu jeito.

Não saia ainda.

Inscreva-se na nossa newsletter e fique informado.